• Dr. Crypto

Bitcoins são os novos diamantes de sangue, acredita jurista português



Jurista diz que criptomoeda é usada por criminosos e deveria ser proibida.


Qual é a diferença entre bitcoins e diamantes de sangue? Essa é a pergunta que abre o artigo do advogado João Ascenso, publicado na sexta-feira (12) no jornal Observador, de Portugal. Para o jurista, que já foi assistente e palestrante na Universidade de Lisboa, a criptomoeda está “envenenada” e deveria ser proibida porque é bastante utilizada por criminosos.


“A questão do anonimato permite que a (rede) Bitcoin seja um instrumento privilegiado para transações ilegais e criminosas, das quais destaco o financiamento do terrorismo e os pagamentos de serviços transacionados na Dark Web, que, como se sabe, é onde operam as redes de pedofilia, tráfico de pessoas, tudo o que possam e tudo o que não conseguem imaginar”, escreveu.


Além do anonimato, outros problemas do ativo digital, segundo o jurista, são a descentralização da rede Bitcoin e a falta de controle do governo, aspectos que fazem com que a criptomoeda esteja fora do radar da lei e não seja sujeita aos mesmos mecanismos de valorização ou desvalorização das moedas fiduciárias:


“Não podemos aceitar que exista um meio generalizado de pagamento fora do Estado, que ninguém controla”.


Advogado critica Tesla


No artigo, o advogado também criticou o fato de empresas de capital aberto, como a Tesla, investirem na criptomoeda. Para ele, ao adquirir BTC as companhias passam a funcionar numa espécie de “sociedade paralela” sem regras.


“E esses problemas são particularmente graves quando envolvem uma empresa com a dimensão e projeção da Tesla, que, ainda por cima, é uma empresa cotada e obrigada, por isso, a especiais deveres de transparência e prestação de informações”, falou.


O advogado ainda falou que, assim como o bitcoin valorizou significativamente com o investimento de 1,5 bilhão da Tesla, o valor da moeda também subirá quando terroristas, pedófilos e outros criminosos comprarem.


Apesar de o autor defender que o bitcoin é somente utilizado para atividades ilícitas, estudo da Chainalysis publicado no mês passado mostra que apenas 0,34% das transações com criptoativos em 2020 estavam ligadas a atividades criminosas. Em 2019, o percentual era de 2,1%.


Opinião gera críticas dos leitores


O espaço de comentários do jornal foi consumido por críticas sobre o artigo. “Tanto palavreado e não se aproveita uma. Isso é só demagogia barata. Basicamente como o senhor não investiu, não percebe o movimento ou não sabe como, quer banir algo”, escreveu um leito chamado Joana Morais.


“Mas como é que um jornal que se quer sério aceita que pessoas escrevam sobre o que não sabem? É inaceitável a quantidade de asneira e erros que este ‘artigo’ tem”, disse o leitor Paulo Bastão.


Já o internauta Eduardo Alves usou da ironia para comentar o texto do advogado. “Caríssimo autor, ainda bem que os criminosos não usam Euro, US Dollar, Franco Suíço, pedras preciosas, arte, carros, barcos, aviões, festivais de verão, filmes, a corrupção da classe politica, a construção, o imobiliário, e, tudo o que tenha valor para eles colocarem a mão em cima (do dinheiro). Ficamos esclarecidos com o seu artigo de opinião”.


Fonte: portal do bitcoin

1 visualização0 comentário
DOAÇÕES 
BTC: 3HhYh6wwq4SCTu956pt4xLK5J68vCCCbcu
ETH: 0xc154ff56bd8a079baad7bf02eec88c7ffc14abef
LTC: MH97DWVakHvASRNMXgZ3NYcXZpxrmxgx3k
ATM$: ATM-3CEK-S6KE-4JCE-6HFMY
  • Facebook Round
  • Twitter Round
  • Google+ - Black Circle

© WIKICRYPTOMARKET 2018

CNPJ: 08.568.124/0001-80